C O N H E C E N D O  A S  A M I G A S 

M I Ú D A S

A S E F E  V O L T A  P A R A  C A S A

miúdas

Quando o avô e o neto iniciaram o caminho de volta, o Sol já se
debruçava sobre a crista da serra, procurando um lugar para
passar a noite. Cada um deles voltava para casa satisfeito com
os acontecimentos do dia. O avô, por ter tido uma tarde de
descanso; o neto, por ter colhido um balaio de novidades.

Depois de uns minutos de silêncio contido, Asefe contou para
Vozé todas as maravilhas que viu na montanha de Vomelo:
além de jataís, mandaçaias, amarelonas e guaraipos, tem
muita floresta, um corguinho de águas muito limpas, flores por
toda parte e pássaros voando, trepados nas árvores e, até,
andando pelo chão. Muito mais que no pequeno jardim da casa
dele, lá na cidade.

Vozé sabia de tudo isso, mas considerava muito melhor o sítio
dele, com lavouras produtivas, vacas de raça, galinhas
poedeiras, antena parabólica, energia elétrica por toda parte e
estrada de fácil acesso. Jamais aceitaria morar no meio do
mato, como um índio.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

-E, se eu pudesse, iria morar na cidade, como minha filha.
Perto da Igreja, ao lado do Hospital, com emprego que rende
dinheiro todo mês, sem precisar me preocupar.

-Vozé, as coisas não são bem assim. Na cidade, tem emprego e
meios para se conseguir quase tudo; mas, todo mundo anda
sem tempo, procurando uma vaga para estacionar o carro,
fechando as portas com muitas chaves, …

-É o que tua Vó também diz; ela detesta o cheiro da cidade. Ela
diz que é poluição.

-Na cidade, tem muita poluição e muita ilusão. Aqui vocês
vivem em paz.

E foram descendo pela estrada que passava debaixo das
árvores. Logo que saíram do mato, já dava de se ver a casa lá
embaixo, as vacas aguardando na porta do estábulo, a Vó e a
Mãe andando ao redor de casa, colocando coisas dentro do
carro. Estavam tão entretidas que nem perceberam os ‘homens’
chegando.

Asefe queria mesmo era contar para elas tudo de vez o que viu
nesses dois dias. Mas, nem arriscou. A mãe e a Vó mal olharam
para ele; cuidavam mesmo era das coisas que a Vó mandava

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

para a cidade, como colocar direitinho a bandeja, que era para
não quebrar os ovos. Também ia leite, mel e até um frango,
morto, depenado e pronto para ir para panela. O pai adorava
frango ‘caipira’. Para azar do frango.

Com a mãe, teria chance de falar no carro, enquanto voltavam.
Se ela deixasse, pois tinha sempre medo de se distrair. Preferia
ficar atenta à estrada.

A Vó? A Vó nem se interessava por ‘essas maluquices de
menino’. Só perguntaria:

-Esses bichinhos podem ajudar a arrumar a casa? Lavar a
roupa? Fazer comida?

E ela mesma completaria:

-Não. Então, não quero saber deles.

Asefe relevava, pois a Vó não tinha provado do mel delas e
nem sabia que elas não ferroam. Um dia, ainda ela saberá,
pensava Asefe.

E a despedida foi como sempre foi. A Vó tinha esquecido do
pano de prato que tinha bordado especialmente para a filha;
quase que esquece de entregar a roupa do Asefe, que ela

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

lavou, secou e passou a ferro, mesmo que tenha sido
repreendida para não fazer isso.

Vozé também, na última hora, lembrou de entregar umas
frutas colhidas naquele dia, mais uma raiz de gengibre que era
para acalmar a tosse do genro.

Foi aí que Asefe riu por dentro, porque, quando ele tivesse as
jataís dele, o mel acabaria com a tosse do pai e até com as
gripes da mãe. Estava assim divagando, quando percebeu que
tinha esquecido uma coisa importante. E não era nem o fone de
ouvido nem as sandálias; esqueceu foi de pedir para Vomelo
uma colmeia de jataí.

Mas, agora era tarde. Nem adiantava falar isso para o Vozé. Ele
estava, como a mãe e a Vó, com aquela cara de despedida,
metade alegria, metade tristeza, falando várias vezes as
mesmas coisas, como que para garantir que tudo fosse ouvido
e guardado de cor. Melhor ficar quieto. Falaria da próxima vez.

Finalmente, a porta do carro foi fechada pela última vez e eles
começaram a viagem para casa. A mãe mandou Asefe virar
para trás e acenar para os pais dela, que estavam abraçados,
sacudindo as mãos que ficaram livres. E, assim, abanaram e
foram abanados até o carro sumir na curva do caminho.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Demorou começar a conversa. Asefe olhava de canto para ver
se a mãe já estava mais calma e pronta para ouvir. Depois de
muita estrada, ela mesma é que deu o sinal, perguntando como
tinha sido a visita ao sítio.
-Vomelo é muito bom e as abelhas são bem calmas.
-Vomelo? Quem? Você andou inventando nomes… Foi alguém
que visitou o Vô?
-Não. Não. O Vozé é que visitou o Vomelo.
-Eu levo você para visitar o avô e a avó e você não tem nada
para dizer?
-Sim. A Vó é muito boazinha e o Vozé trabalha bastante…
-Só isso. Você não conversou com eles?
-Conversei. O Vozé até disse que quer morar na cidade, como a
gente.
-Ele disse isso?
-Disse. Quando a gente estava voltando do Vomelo.
-Ah! Estou entendendo. Vomelo é o ‘seo’ Melo.
-É. É.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

-E o que o Vô foi fazer lá.
-Vozé só me levou lá. Ele nem quis ficar conversando…
-E você ficou… conversando?
-Sim. Fiquei. Conversando com Vomelo. Ele me mostrou as
abelhas.
-Abelhas? Que perigo!!!
-Mãe, as abelhas que ele mostrou são as abelhas-sem-ferrão;
elas não picam.
-Abelha que não pica!!!
-Sim. Tem mandaçaia, bugia, jataí, jandaíra, guaraipo, … Ele
disse que tem umas outras, na casa de um vizinho.
-Novidade. Abelha que não ferroa…
-Elas são bem diferentes. Elas colocam o mel em potes e não
em favos.
-Qualquer pote?
-Não, mãe. Potes de cera que elas mesmas fazem.
Parecia que a mãe não acreditava. Ficou calada, prestando
atenção na estrada. Mas, já estava diferente. Dava para ver

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

que ficou curiosa. Asefe calou a boca. Melhor esperar que a
curiosidade amadurecesse. E não tardou.
-Essas abelhas não são abelhas domésticas? São abelhas do
mato?
-Ô, mãe. Toda abelha é silvestre; tem a casa delas, mas não
vive presa. Podem estar em apiário ou meliponário, mas são
livres para voar, coletar pólen e néctar.
-Eu quis dizer que é criada para fazer mel…
-Acho que a senhora está pensando em abelha africana…
-Isso mesmo: abelha africana.
-É. Essa ferroa. Por isso mesmo, não é doméstica; não pode ser
colocada perto de casa.
-Donde o ‘seo’ Melo arranjou essas abelhas diferentes?
-Na mata, onde tem bastante árvore e nenhum veneno.
-Então, vocês foram andar pelo mato?
-Também. Mas, as jataís moram na varanda e as mandaçaias,
logo ao lado da casa. Não tem perigo.
-Parece.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

E mais uma vez, a mãe apertava os lábios, sinal que estava
pensativa. Que tal arriscar a pergunta que passeava na cabeça
dele? E perguntou:
-Mãe, você compra uma jataí para mim?
-Como, meu filho? Lá em casa nem tem árvore.
-Mas, tem flor. Tem a varanda, com bastante sombra e pouco
vento.
-Abelha na varanda? Mas, você não disse que elas são
silvestres?
-É que a jataí aprendeu a viver na cidade. Em qualquer
cantinho.
-E para quê criar jataí?
-Porque são lindas e bem divertidas; porque fazem um mel
remédio, bom para tosse, para dor de garganta, para gripe e
até para os olhos.
-Tudo isso?
-Sim. E de graça. Elas mesmas é que trabalham para ganhar oque-
comer.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Asefe prestou bem atenção e concluiu que a mãe também já
estava interessada na jataí. Ah! Por que ele não pediu uma
para o Vomelo? Se bem que, antes, precisava convencer
também o pai. Era ele que sabia parafusar uma prateleira na
parede da varanda para colocar a caixa.

E entraram na cidade. Agora, era muita sinaleira, muita buzina
e adeus conversa. Precisava mesmo era falar com o pai. Ele era
mais ligado nessas coisas de natureza. E, naquela noite
mesmo, contou toda a aventura de visitar Vomelo e de
conhecer as abelhas-sem-ferrão.

miúdas-abelha

Claro que precisou esperar acabar o futebol que rolava na TV.
Durante o jogo, o filho ficaria papagaiando e o pai responderia
apenas uhhhhmmmm, uhhhhmmmm. Demorou, mas o jogo
acabou e o pai, finalmente, olhou para Asefe:

-Fala, filhão, como foi o passeio? O Vô e a Vó te entupiram de
comida?

-É. Eles querem que eu coma bastante para crescer depressa e
dar um bisneto para eles…

-E, além de comer muito, o que você aprontou por lá?

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

-Nem precisou aprontar. Estava tudo pronto, esperando para
ser conhecido…

-Ué!!! Tinha coisa nova lá no sítio, coisa que você ainda não
conhecia?

-Eu conhecia todo o sitio do Vozé, mas nem imaginava que,
naquela floresta que eu via dali, moravam o Vomelo e muitas
abelhas.

-Abelhas??? Eu sabia que o ‘seo’ Melo morava no mato, mas
que criava abelhas…

-Lá é muito bonito, muito bom. Tem muita jataí, mandaçaia,
bugia e guaraipo.

-Peraí. Devagar. Era abelha, agora é jataí… E mais outros
bichos…

-É assim: além das abelhas que o senhor conhece, existem
outras que não têm ferrão, que não picam.

-Como é isso?

-As abelhas-sem-ferrão são abelhas daqui mesmo. Abelhas
indígenas, abelhas brasileiras.

-Aaaaaahhh!!!

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

-Só vendo mesmo. É melhor o senhor ir lá no Vomelo e ver o
senhor mesmo. Não adianta explicar assim só falando. É
preciso ver o ninho delas, enfiar o dedo no pote de mel, sentir o
cheiro de cada tipo de cera.
-Pois é. Faz tempo que não vejo meu sogro…
-Aproveita e vai até o Vomelo.
E, aproveitando o vacilo do pai, emendou:
-Aí, o senhor compra uma jataí pra mim.
-Comprar? Mas, o ‘seo’ Melo vende?
-Esqueci de perguntar…
-Pois é.
-Quem sabe ele pode me dar uma jataí? Eu esqueci de pedir…
-Pois é, pois é.
Asefe percebeu que estava ‘espichando demais a linha’; que era
melhor aguardar um tempo, preparar melhor o espírito do pai.
Naquela noite, toda a pequena família dormiu feliz: Asefe
sonhando com jataís; a mãe satisfeita com os beijos e abraços
dos pais, com a alface bem macia, com os ‘ovos caipira’, com o

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

maracujá para fazer suco, com as bananas sem agrotóxicos,
com … E o pai, comemorando a vitória do time dele e a
primeira colocação na tabela do campeonato.

 

A S E F E   V O L T A   À   S A U L A S

Asefe chegou à escola até mais cedo do que costumava chegar.
Ainda tinha pouca gente pelo pátio e o pessoal da limpeza
andava apressado de lá para cá. Voltou para a rua e teve de
esperar a chegada dos amigos.

Finalmente, chegou um que não era tão amigo assim… mas
ele, por pura ansiedade, foi logo falando:

-Cara, vi um bichinho massa.

-I daí?

Asefe aquietou. Estava na cara que aquele estava noutra. Sorte
que logo chegou um que pensava mais ou menos como ele.
Contou então, de uma golfada: Lá pertinho do sítio do Vozé,
morava um homem barbudo, com uma barba comprida assim,
que criava muitas abelhas, mas eram abelhas diferentes
daquelas que ferroam.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Esse amigo logo se interessou e quis saber mais:

-Abelha boa? Bem mansinha?

-Isso mesmo: bem mansinha. Pode tocar nela e tudo.

-É abelha igualzinho às abelhas, só que mansa, não ferroa?

-Tem de muitos tipos. Do mesmo tamanho da abelha ferroenta,
menor que ela e, até, bem pequenininha. Tem uma que é
quase da mesma cor dessa ápis, a abelha que ferroa. E tem
também de cor quase preta.

-Você não trouxe uma pra gente vê?

-Pois é. Esqueci de trazê.

Aí, já tinha mais gente chegando e formaram um pequeno
grupo de amigos ligados à ‘vida miúda’. Com as mochilas nas
costas, foram passando pelos grupos de colegas de escola,
animados com a última música de sucesso e com as novidades
na Casa do Tênis. Outros corriam contra o tempo, copiando dos
colegas as lições que não fizeram em casa.

A conversa corria solta quando tocou o sinal para o início das
aulas. Aí tiveram de ir cada qual para sua sala e deixar o resto
da notícia para a hora do recreio.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Por sorte, a primeira aula era aula de Ciências. Então, poderia
falar das amigas miúdas, pois era assunto de Ciências mesmo e
não estaria atrapalhando a aula. Mas, só para os amigos que
eram também colegas de sala. Os que estudavam em outras
salas teriam de esperar o recreio.

A professora organizou os trabalhos, distribuiu as tarefas e
ficou acompanhando tudo com atenção. Rapidamente, as
equipes concluíram os trabalhos e começaram as
apresentações. O tema de uma das equipes era “A Importância
dos Polinizadores.” Estava do jeitinho que Asefe precisava.
Aguardou a ‘hora de fazer perguntas’ e indagou:

-Vocês conhecem abelhas-sem-ferrão?

-Abelhas que perderam o ferrão? – perguntou um
engraçadinho.

Asefe manteve a calma, pois imaginava que, para a sala
inteira, tudo seria novidade. (Mas, mais adiante, vamos ver que
não era novidade para todos.)

-Aí, seria uma abelha dessas africanas, que perdeu o ferrão na
luta com um exibido.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

A turma riu, mesmo sem entender direito. Asefe, então, se
encheu de segurança e foi explicando:

-Difícil aqui um que não levou uma ferroada da abelha braba,
da abelha africana. Essa desenvolveu bem o ferrão, para atacar
os ladrões de mel. Porém, na abelha mansa, na abelha
brasileira, o ferrão só cresceu bem pouquinho; nem dá de
ferroar com ele.

-Nunca vi dessas… – atalhou alguém.

-Eu também nunca tinha visto. Tem de muito tipo de abelhasem-
ferrão; tem mandaçaia, tem jataí, … tem jandaíra, …

-Tem aonde?

-Pertinho da casa do meu avô.

-E o que tem abelha-sem-ferrão a ver com polinizadores? –
perguntou a professora.

-Professora, as abelhas-sem-ferrão é que mais vão nas flores
das árvores – assegurou Asefe, todo cheio de convicção. São
elas que ajudam a árvore a produzir semente boa de germinar.

Aí, a professora abriu a boca, que era para escutar melhor. Pois
eram as árvores as que mais careciam de polinização, para

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

gerar florestas, que geram clima bom, que protegem as
nascentes de água potável e que encantam os olhos de se ver.
Por isso, ela perguntou mais:
-Quem te ensinou isso, Asefe? Foi teu pai?
-Não. O pai também não sabia. Aprendi foi com Vomelo.
-Vomelo?
-Vomelo. O vizinho do Vozé.
A turma também não conhecia Vomelo e Vozé. Mais uma vez,
Asefe teve de explicar:
-Vozé é meu avô, pai da minha mãe; e Vomelo é ‘seo’ Melo,
vizinho de meu avô.
Todos ficaram em silêncio, aguardando mais informações.
-Vomelo me mostrou as jataí, as mandaçaia, as guaraipo, …
Deixou também lamber um pouco de mel de cada espécie. Uma
delícia!!! Ele me explicou tudo, mas só lembro de uma parte.
-Elas são todas iguais?
-Não. Cada uma é um pouquinho diferente…

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Asefe tentou explicar, mas ele mesmo já estava misturando a
asa de uma com a cor da outra.

-Para saber as diferenças… só mesmo vendo.

A professora, percebendo que todo mundo gostou daquele
assunto, ficou imaginando uma ‘aula prática’:

-Tem como esse Vomelo vir até aqui explicar tudo outra vez?

-Esqueci de perguntar pra ele…

A professora, então, encarregou Asefe de verificar se o Vomelo
aceitava o convite para vir explicar tudo direitinho e mandou
seguir a apresentação, senão terminava a aula e o trabalho
ficava pela metade.

Asefe estava todo cheio, mas tinha um problema. Ele pediu
para Vomelo se podia levar a turma lá para o sítio, mas… será
que ele aceitava chegar até a escola para ‘dar uma aula’?

Foi para casa, preocupado. No entanto, a preocupação só durou
até a chegada da mãe, pois ela ficou muito contente que
poderia ajudar na escola do filho e prometeu ali mesmo que
falaria com o pai dela para falar com ‘seo’ Melo para ele fazer
esse favor.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

P R O F E S S O R   V O M E L O

Assim, ainda naquele mês, tiveram aula com o ‘Professor
Vomelo’, todo sorridente, todo prosa. Era a primeira vez que
uma escola se interessava por esse trabalho que ele fazia com
tanta paixão, que era ajudar a natureza.

‘Professor Vomelo’ falou, com aquela calma dele, que era muita
coisa para dizer em pouco tempo; que ia falar só uns começos,
que o resto cada um tinha de pesquisar na internet ou ir até o
sítio dele para entender melhor.

Primeiro, ele falou que o problema das abelhas-sem-ferrão era
exatamente não terem ferrão. Que, como eram mansinhas,
eram saqueadas para levar o mel. O pior era que deixavam os
ninhos aos pedaços; rebentavam o cortiço, cortavam a árvore,
quebravam o cupinzeiro ou viravam as pedras que serviam de
casa para elas. Aí, depois que os ladrões de mel iam embora,
as coitadinhas ficavam ao relento, desprotegidas das formigas e
de outros bichos.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Outro problema, segundo ele, era que as rainhas das abelhassem-
ferrão são muito pesadas e não conseguem voar como as
rainhas de abelhas ápis, dessas abelhas que têm ferrão.

Explicou que, se a gente tira ‘uma meleira’ de ‘africana’ e deixa
a ‘casa’ quebrada, o enxame vai procurar outro oco para se
esconder e a rainha vai com a família. No entanto, as abelhassem-
ferrão sabem que a rainha não consegue voar, por isso
ficam ali com ela, sem casa e sem proteção. O mais das vezes,
acabam morrendo de frio, de fome, engolidas por algum bicho
ou queimadas pelo sol.

Apesar de Vomelo ter uma boa conversa, a maioria da turma
estava pouco interessada, pois não conseguia entender bem
como era aquilo tudo. Muitos já estavam cansando daquela
explicação. Foi quando Vomelo pediu licença para buscar
alguma coisa que tinha deixado do lado de fora da porta. O que
seria a tal coisa?

Vomelo voltou para sala com uma caixa de papelão. Ele foi
abrindo a caixa de papelão com cuidado e, de lá de dentro,
tirou uma outra de madeira, com um pito de cera, coberto por
uma proteção de tela: era uma colmeia de jataí. Aí, a canseira

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

sumiu. A turma se desarrumou, foi levantando das carteiras,
pois todos queriam ver de perto.

Depois que a turma se fartou de olhar para umas 10 abelhas
que estavam de guarda no pito, Vomelo pôs a mão no fecho
que prendia a tampa. Asefe ficou meio confuso: se a tampa
fosse aberta, as abelhas não fugiriam?

Porém, a dúvida de Asefe foi afastada pela surpresa. Olha só o
que o Vomelo aprontou: ele colocou um plástico transparente
em cima da caixa. Dava de ver as jataís, mas elas não fugiam.

Então, a turma esqueceu do pedido da professora, para não
‘fazer vergonha’; olhavam e falavam todos ao mesmo tempo.
Vomelo se afastou um pouco e se fartava do entusiasmo dos
alunos, que queriam ver mais, ver tudo e falar das emoções
que estavam sentindo. A professora se aproximou dele para
trocar umas ideias; ficaram um tempo ali conversando
baixinho.

No momento em que os dois consideraram que todos tinham
visto e falado o suficiente, a professora pediu que cada um
voltasse para seu lugar e Vomelo baixou a tampa da caixa,
travou e colocou, outra vez, dentro da caixa de papelão.
Quando tudo se aquietou, a professora agradeceu ao ‘Professor

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Melo’, que agradeceu a oportunidade e disse da alegria de
poder contribuir para o conhecimento deles sobre a vida natural
e agradeceu também o carinho com que foi recebido.

Na hora em que Vomelo foi saindo da sala, Asefe pediu para
professora se ele podia ir com Vomelo até ‘em casa’, pois não
queria perder a oportunidade de fazer um pedido. A diretora da
escola também quis ‘ter uma palavrinha’ com ‘seo’ Melo e com
Asefe. Os dois aguardaram um pouco até ela atender outra
pessoa e logo foram recebidos no Gabinete da Direção.

A diretora agradeceu muito a visita de Vomelo, dizendo que a
escola é da comunidade e que o ‘saber da vida’ precisa entrar
na escola. Elogiou muito o aluno Asefe, sempre interessado nas
questões ecológicas e que incentiva os colegas a cuidar das
árvores do pátio da escola.

Aí, já ia tocar o sinal de fim de aula e a mãe tinha saído um
pouco antes do trabalho dela e estava esperando em frente à
escola.

Quando chegaram ‘em casa’, logo o pai também chegou e
Vomelo almoçou com eles, na correria porque vida de
empregado depende de horário apertado. Assim, em dois

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

tempos, Vomelo pegou a caixa de papelão e foi indo para o Jipe
dele e Asefe foi ficando agoniado, até o pedido sair pela boca:
-Vomelo, o senhor pode deixar essa jataí aqui comigo, por uns
dias…
Vomelo parou, ainda de costas. Demorou um pouco e foi
virando devagar. Tinha na cara um sorriso que dizia que ele
concordava:
-Mas, aonde você vai colocar a jataí? No teu quarto?
-Na varanda. Quero colocar a jataí na varanda…
-No chão?
Asefe, suplicante, olhou para o pai. E o pai entendeu a angústia
dele:
-‘Seo’ Melo, pode deixar. Se elas puderem esperar pela
tardinha, eu coloco uma prateleira na varanda; onde o senhor
achar melhor.
-Precisa ser um lugar ao abrigo de ventos fortes.
-Então, é fácil. Ali, naquele canto, é um lugar assim.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Asefe não se conteve. Primeiro abraçou e beijou o pai; depois,
correu até Vomelo e, na emoção, quase que derruba a caixa
que ele segurava com todo cuidado.

Vomelo, então, passou as orientações e os cuidados que a
família toda deveria ter com as novas vizinhas. Não bater na
caixa, pois batidas podem prejudicar as larvas que estavam nos
discos de cria; não ficar o tempo todo tirando a caixa dali e
abrindo a tampa para mostrar o ninho para os curiosos; prestar
atenção se as formigas e as lagartixas não estavam atacando a
colmeia; e se as abelhas estavam trabalhando regularmente,
com as operárias saindo e entrando nas horas mais quentes do
dia.

Assim, quando a noite começou a apagar o sol, a colmeia de
jataí já estava no lugar combinado, do jeito que Vomelo
orientou. Esperaram anoitecer de todo e retiraram
cuidadosamente o ‘copo de tela’ que Vomelo tinha inventado
para prender as abelhas sem machucar o pito de cera.

Naquela noite, talvez as jataís e Asefe tenham dormido pouco.
Elas, reorganizando os pequenos estragos acasionados pelo
transporte e pela mudança de direção da caixa. Asefe,
preocupado com algum ladrão interessado nas amigas dele, na

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

lagartixa que vivia na varanda e no perigo das abelhas se
perderem numa cidade estranha para elas.

Antes de clarear o dia, Asefe já estava na varanda, esperando a
saída da primeira abelha. Mas, quem chegou antes foi a mãe,
lembrando que era dia de aula e que as abelhas estariam bem
ali; pediu que ele controlasse a agonia e fosse se arrumar para
ir à escola.

Alguns amigos esperavam com ansiedade. Eles falavam das
abelhas-sem-ferrão. Se nem a professora sabia da existência
delas, como é que Asefe inventou de saber isso? Chegando, ele
explicou que tudo começou com uma formiga viva carregando
uma formiga morta, que foi ‘roubada’ por uma vespa. Voltou a
contar como foi que conheceu Vomelo, a montanha, as jataís e
as mandaçaias.

Quando entraram no pátio da escola, alunos de outras salas se
juntaram a eles e todos queriam saber mais; perguntavam e
Asefe – todo importante – ia tentando explicar, mas faltava
muito para ele saber sobre abelhas-sem-ferrão. Bom mesmo
seria se Vomelo estivesse ali e respondesse cada pergunta para
que ele próprio pudesse entender melhor.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Muitos queriam que Vomelo fosse às salas deles também, que
eles podiam negociar isso com os professores deles. Assim,
rolou a conversa até que o sinal chamou para o início das aulas.

D E   O U T R O   M E L

Dentro da sala, sempre que sobrava tempo, algum colega
voltava ao assunto. Foi num desses cochichos que aquela
colega que mexia com os sentimentos de Asefe veio até ele e
segredou:

-Na casa de minha tia tem uma abelha.
-Dessas sem ferrão?
-Sim. Mas, acho que não é jataí.
-Ela é diferente?
-Sim. A jataí é elegante, como a Gisele Bündhen. E loirinha,
também. A abelhinha da casa de minha tia é pretinha e
menorzinha. Mas, bem mansinha, como a jataí.
-Será que tua tia deixa eu ver essa abelha pretinha?
-Se você quiser, posso perguntar pra ela.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

E a professora acabou com o romantismo. Era hora de aula.

Porém, mesmo durante as aulas, mil ideias caminhavam pela
mente de Asefe, como uma futura visita à tia ‘daquela colega’,
as jataís voando pela varanda da casa dele e a possibilidade de
Vomelo dar mais aulas sobre as abelhas-sem-ferrão. E, a mais
forte delas, o desejo de ir outra vez até a montanha e andar
novamente por entre as colmeias. Ah! Se ele pudesse…

E não era só ele que estava mobilizado para subir a montanha.
Muitos colegas já conversavam sobre o assunto e, na hora do
recreio, já tinha excursão montada para conhecer o sítio de
Vomelo. O problema era como colocar todos os interessados
num só ônibus. O jeito foi falar com a diretora e pedir que ela
comandasse a excursão. Assim, a novidade tomou conta da
escola e foi motivo de conversa por uns dias.

Enquanto isso, Asefe foi admirando as jataís da varanda. Antes
de sair para escola, ficava frustrado porque elas eram muito
dorminhocas e nem apareciam no pito. Por isso, voltava da
escola com pressa, pois sabia que as ‘meninas’ estariam de
rebuliço pela varanda e que ele ia ficar ali, de mochila nas
costas, de boca aberta, olhando cada uma delas, tentando
identificar se eram operárias, se eram zangões, se traziam

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

pólen, se traziam néctar, se olhavam para ele, mas … elas nem
se importavam com a curiosidade dele.

Aí, chegava a mãe e mandava ele entrar, tirar o uniforme
escolar, guardar a mochila, lavar as mãos e almoçar com eles,
porque, a essa altura, o pai já tinha chegado também.

Na semana seguinte, ‘aquela colega’ encostou nele e disse que
a tia adorou a ideia e que eles poderiam conhecer a abelhinha
preta ainda naquela tarde. Mas, … Asefe dependia daautorização dos pais… Assim, … só para o dia seguinte. Ô,
como estava longe aquele dia seguinte!!!

Os pais concordaram que ele fosse, desde que estivesse com as
tarefas escolares em dia e que ajudasse a mãe naquele final de
semana.

Nesse dia, Asefe foi bem cedo para a escola e não quis muita
conversa. Estava se reservando para comunicar à colega que
ele estava liberado e que, naquela tarde, poderiam conhecer as
abelhinhas pretas. Ela disse que poderia sair só mais para o
final da tarde. Era bom, porque dava tempo de colocar as
tarefas escolares em dia. Parecia que daria tudo certo.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Naquela tarde, nem bem tinha guardado o material escolar,
com as tarefas feitas, e se preparava para fazer um lanche,
quando reparou que a colega já estava em frente ao portão,
com os olhos fixos na colmeia de jataí, que estava na varanda.
Ficou ainda um tempo espiando pela fresta da cortina. Depois,
convidou a companheira para partilhar do lanche. Ela não quis.
Já havia lanchado. Pediu apenas para ficar olhando as jataís na
varanda.

Engoliu rapidamente uns biscoitos, colocou o boné na cabeça e
acompanhou a colega até o sítio da tia dela, que ficava bem
perto da cidade. Foram muito encabulados, em silêncio. Cada
qual disfarçando a emoção.

Chegaram. De fato, debaixo de um beiral de telhado, os tios
tinham 3 pequenas caixas de madeira, cada qual contendo um
enxame de uma abelha miúda, menor que todas as que Asefe
tinha visto na montanha de Vomelo. Logo mais, o tio da colega
chegou do trabalho e foi logo saber o que tinha trazido a
sobrinha, assim de surpresa.

Ela, então, contou um pouco das aventuras de Asefe e disse
que se sentia orgulhosa, pois era a única da escola que, há
tempo, conhecia uma abelha-sem-ferrão.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Os tios ficaram muito interessados, pois aquelas abelhas
estavam ali havia anos, desde o tempo do pai dele. Estavam
ali, sem incomodar ninguém. As caixas nunca haviam sido
abertas. Vomelo precisava saber disso. Talvez ele soubesse a
‘marca’ dessas abelhas.

A U L A  N A  M O N T A N H A

Rapidamente, aquele mês virou passado e se aproximava o dia
da excursão. A diretora havia determinado que, naquele dia,
iriam os colegas de classe do Asefe; os demais poderiam ir em
uma outra oportunidade. Isso, se houvesse bom
comportamento dos que foram e se o resultado fosse positivo
para a aprendizagem escolar.

Tiveram sorte. No dia marcado para a excursão, o Sol espiava
entre poucas nuvens, soprava uma brisa fresquinha e ninguém
faltou à aula.

A viagem foi animada, pois a maioria nunca tinha ido pr’aqueles
lados. Pelo caminho, a professora ia explicando que a viagem
poderia ser uma boa aula de Geografia. Ia dizendo que a
Geografia mais importante é a aquela que fala do local em que

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

eles viviam, a começar pela cidade, pelos bairros, pela periferia
e pela área rural do município. Conhecendo essa geografia, eles
aprenderiam a amar e a preservar ‘a terra deles’.

Essa ‘aula’ encheu a viagem e, num instante, estavam
chegando ao sítio do Vozé, que esperava na encruzilhada para
ensinar o caminho para o motorista do ônibus. Só explicou
mesmo; não quis ir junto, porque tinha muito-o-que-fazer.

E o motor roncou forte para vencer a montanha. Logo logo,
entraram na mata e os galhos das árvores varriam as janelas,
pois esse era o primeiro ônibus que passava por ali.

Vomelo recebeu a turma com alegria de criança; estava muito
feliz. Passou a mão pela cabeça dos alunos e deu a mão para a
professora, a qual foi logo dizendo que a visita era de apenas
uma hora, que foi o que foi combinado com a diretora, porque
os alunos teriam de estar de volta antes do final do turno da
manhã.

Começaram pela varanda. Vomelo tinha preparado algumas
caixas com plástico transparente, que era para mostrar o
interior dos ninhos e as abelhas trabalhando. Deu para ver que,
apesar de todas serem jataís, cada ninho pode ser montado de
forma bem diferente. Os ninhos não eram iguaizinhos, não.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Preparou também umas bandejas cheias de copinhos com um
pouco de mel em cada um deles. Os visitantes espichavam o
olho para cada copinho, enquanto os narizes se embriagavam
daquele cheiro adocicado e a saliva vertia na boca, afogando a
língua.

Antes de liberar a degustação dos méis, Vomelo fez um
pequeno discurso, falando da alegria de um agricultor receber
‘a geração do futuro’, na qual ele depositava todas as
esperanças de um mundo melhor, onde as pessoas viveriam
em paz, sem matar umas às outras e sem destruir a Natureza
para ter lucro fácil.

Em seguida, falou da importância das abelhas-sem-ferrão para

o equilíbrio ambiental, para preservação das florestas e para a
geração de benefícios à humanidade, com o mel, pólen,
própolis – que eram artigos medicinais – e para a fixação do
homem no campo, onde poderia viver com melhor qualidade de
vida.
Finalmente, informou que, nos copinhos, havia mel de várias
espécies de abelhas-sem-ferrão. No entanto, alguns continham
mel de abelhas que não são nativas do Brasil – das europeias

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

ou das africanas, que são do gênero ápis – e que quem cria
ápis é apicultor. Disse que o mel de ápis é denso, mais grosso.

Entregou, então, uma colherinha de plástico para cada visitante
e pediu que saboreassem com vagar, fazendo gosto na língua,
tentando identificar de que espécie era cada mel. Alertou que
tomassem cuidado, pois os méis de abelhas-sem-ferrão são
mais ralos, mais finos, e que escorregam mais facilmente. Que
um gosto mais acentuado, como uma pequena acidez, pode ser
característica daquele mel em particular, e que isso não
indicava suspeita de que aquele mel estivesse estragado.

Virou um conversedo animado. O pessoal andava de um lado
para outro tentando provar o mel de muitos copos. E todo
mundo discutindo o gosto diferente de cada mel e tentandoadivinhar de qual abelha era. É claro que todos identificaram
com facilidade o mel de ápis, pois, além das explicações de
Vomelo, já conheciam aquele mel.

Quando só tinha sobrado o plástico branco de cada copo, a
professora exigiu silêncio e Vomelo falou das características de
cada mel. Concluiu dizendo que a intenção dele era despertar o
interesse deles pelo mel de todas as abelhas-sem-ferrão e que
identificar o mel de cada espécie era tarefa para mais tarde.

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

Ajudado pela professora e pela orientadora pedagógica e pelo
Presidente da APP que acompanhavam a excursão, Vomelo
levou a turma para ver o meliponário que ficava ao lado da
casa. Ali estavam as mandaçaias.

Fez uma palestra, falando das abelhas-sem-ferrão em geral e
finalizou falando especificamente das abelhas daquele
meliponário: de como ele havia conseguido as primeiras
colônias, como fazia para multiplicar os enxames, para
acompanhar o desenvolvimento das famílias novas, para se
prevenir de predadores, como as formigas, as lagartixas, os
gambás e os pássaros que engolem insetos.

Até aí, Vomelo tinha conversado com um ou outro aluno;
conversa sem divulgar muito. Agora, depois de falar bastante,
Vomelo disse que quem quisesse podia perguntar. Ele sabia
pouco, mas tentaria responder.

-A gente vai ver as outras abelhas também?

-Por hoje, já tem muito para conversar e contar lá na cidade.
Tem muito mais abelha-sem-ferrão por aqui. Além de jataí e de
mandaçaia, tem bugia, guaraipo, tubuna, mirim, mirim-guaçu,
iraí, irapuá e manduri. Essas são todas abelhas sociais: não
conseguem viver sozinhas, longe da colônia. E tem também

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

muitas abelhas solitárias, como a mamangava e muitas outras.
Mas, se a gente olhar correndo, vai confundir mais do que
entender.

-Vomelo, todas as abelhas-sem-ferrão são da mesma raça?

-Aqui, como estamos todos de pé, com pouco tempo para falar,
só adianto que são duas tribos: a meliponini e a trigonini. As
meliponas são maiores, como a mandaçaia que vocês estão
vendo, a manduri, a bugia, a japurá, a uruçu, a guaraipo, a
tiúba e a jandaíra. As trigonas são menores e de várias
subespécies, como a jataí, todas as mirins (plebeias), a iraí, a
tubuna, a borá, a irapuá, a marmelada, … A principal diferença
está na geração de princesas, que serão as futuras rainhas: as
princesas meliponas nascem de células comuns e as princesas
trigonas só de células especiais, as realeiras.

-Verdade que tem abelha colorida? – perguntou uma aluna.

-Colorida? Toda abelha é colorida. Penso que você quis dizer
‘de cor bonita’. Sim. Toda abelha é bem colorida; para mim
toda a abelha é bonita. Mas, tem algumas muito bonitas. Por
exemplo, a uruçu é linda. Algumas apresentam tons
esverdeados, nos olhos ou no corpo mesmo. As amarelas são

Mario Tessari

C O N H E C E N D O A S A M I G A S
M I Ú D A S

muito bonitas; a jataí, a rufiventris, a tujuba, a manduri
amarela, a mirim-guaçu amarela, …

-É. O mel também é amarelo… – ironizou um outro aluno.

-O mel. Sim. Além de polinizar as pequenas flores de nossas
árvores, as abelhas-sem-ferrão produzem mel. Algumas mais,
como por exemplo, a mandaçaia, a guaraipo e a manduri.
Outras, produzem pouca quantidade de mel, mas mel de
excelente qualidade, que além de ser saboroso, possui muitas
propriedades medicinais. O mel da jataí, por exemplo, combate
as bactérias nocivas à saúde, auxilia na cicatrização e na
regeneração das células animais; por isso é usado, por muitas
pessoas, para combater afecções nos olhos.

A palestra estava ótima, mas chegou o motorista do ônibus
dizendo que já estavam atrasados, que precisavam voltar logo,
para poder chegar na hora combinada com a diretora.

miúdas

Autor: Mario Tessari